Arquivos do Autor

Luciana Vieira Visualizar tudo →

Blog que compartilha a minha alegria em pedalar. Evidente que não há só alegria, porque sabemos muito bem que o nosso país não valoriza os ciclistas. Melhor dizer: não pensa em todas as pessoas como os pedestres, os cadeirantes e os idosos. Além das experiências de minha vida como ciclista, este espaço trata sobre outros temas, mesmo não tendo relação com a bike. Dou um alerta: o fato de gostar de pedalar não significa que sou especialista nessa temática. Aqui são histórias, opiniões, relatos, o que vier da minha mente e eu julgar interessante de contar. Na primeira postagem deste blog, convido a ler sobre o motivo de se chamar Aquela que pedala. Quem escreve? Sou a Luciana Vieira, tenho deficiência auditiva e moro em Florianópolis/SC. Atuo como assistente administrativa em empresa federal de energia elétrica e, desde 2013, procuro usar a bicicleta para me deslocar ao trabalho. Comunicação Social com habilitação em Jornalismo é a minha formação acadêmica e não exerço a profissão. Sempre gostei de escrever e já tive o prazer de dar uma de escritora em blogs de amigos como o Máquina de Letras. Mais segura em escrever e expor no meio virtual, decidi ter o meu próprio cantinho. E assim Aquela que pedala vem a ser a varanda de meus escritos. Sugestões, opiniões, críticas? Escreva para o e-mail aquelaquepedala@gmail.com

Eternamente grata

Aquela que pedala era uma menina que admirava o desfile dos trabalhadores de uniforme indo de bicicleta às fábricas em Joinville. Aquela que pedala hoje é um deles, mas em Florianópolis. Aquela que pedala, ao entrar no mercado de trabalho, usava ônibus e carro como meios de transporte e odiava ficar presa no trânsito. Aquela…

Leia mais Eternamente grata

Para Débora

Você foi uma irmã muito desejada. Eu já tinha dois irmãos e queria mais. Fiz esse pedido ao pai e a mãe. Algumas vezes, à noite, sentada no chão diante da porta fechada do quarto do pai e da mãe, eu orava a Deus para que me concedesse mais um irmão ou uma irmã. Deus…

Leia mais Para Débora

Últimos dias de Celina

O texto a seguir foi escrito pelo meu avô paterno, Alípio, em 1974. Chegamos a dois de julho de visita aos filhos Nahor, Ilnah e netos em Recife onde passamos cinquenta e cinco dias no aconchego de parentes e amigos; novos amigos que amamos tanto. Conhecemos a região da grande Recife, irmãos presbiterianos, igrejas; em…

Leia mais Últimos dias de Celina

Luta pela sobrevivência

Aos seis anos de idade, Jair aprendeu a nadar no estilo “cachorrinho” na praia de Ubatuba, em São Francisco do Sul/SC. Mal havia aprendido, no dia seguinte, o menino entrou num redemoinho marítimo. Sua mãe, Celina, correu em seu socorro e também acabou “presa” na corrente. Sendo pequeno, Jair logo foi jogado ao alto-mar. Dois…

Leia mais Luta pela sobrevivência

Desaparecimento no rio

Zeca, pai de Mariquinha e Toia, não era pescador profissional, mas tinha a canoa como meio de transporte. A pesca era apenas para alimentação de sua família. Em Tijucas, há um enorme rio de mesmo nome que atravessa a cidade. Era comum as casas próximas ao rio serem bem altas ao chão. Nesses porões, os…

Leia mais Desaparecimento no rio

Calma, serena e tranquila

Pedalando busco a Deus que me dá calma, serenidade e tranquilidade. Ele me presenteia abrindo os meus olhos e a minha alma para as belezas ao meu redor: sol, chuva, orvalhos, campos, montanhas, mar, rios, cachoeiras, céu, pássaros, flores, árvores, borboletas… São maravilhas incontáveis a contemplar e, ao mesmo tempo, um lembrete de que nós…

Leia mais Calma, serena e tranquila

Satisfação sem fim

Não existe um dia que tenha me arrependido de sair de casa de bike, mesmo nas situações de perrengues como chuva forte e pneu furado. Nem mesmo nos dias que eu me sentia cansada, triste ou braba, pois com ela me acalmei, fiquei disposta e meus olhos brilharam ao ver o mar, o céu, as…

Leia mais Satisfação sem fim

Não vai voltar ao normal

Pandemia. Coronavírus. Covid-19. Lockdown. Isolamento social. Fique em casa. Máscara. Distanciamento social. Vírus. Morte. Sem leitos. Não aguento essas palavras ressoando a todo instante. Dá vontade de tapar os ouvidos e fechar os olhos!  Ah, não vejo a hora de voltar à normalidade! Um dia, minha consciência gritou comigo: “Sério, Lu? Voltar ao normal?” Infelizmente,…

Leia mais Não vai voltar ao normal